quarta-feira, 16 de junho de 2010

O acaso que me ensina, que me mata e depois me alegra;
Situações inusitadas que me encarceram em um mundo onde não há cor;
Sigo confiante, peço somente um amanhã de esperança;
Em cada noite, faço votos de renovar minhas esperanças, de não derrubar mais nenhuma lágrima que embaça meus olhos, não recordar o que passou, não querer ver no escuro...
Acordo procurando pelos raios do sol, mesmo quando não há nenhum, olho para o alto, imagino uma força que me irradia, direciono à todos que eu amo e sigo confiante;
Errante todos somos nessa vida de acaso, procuro uma metade que mesmo não sendo igual a minha, sei que vai me completar, mas quero alguém errante não perfeito, se não o prazer do aprender e ensinar não vai existir, será tudo sem vida;
Aprender a conviver mesmo a distância, desejar cada instante que os dias passem para um o outro olhar, se abraçar de forma apertada, comer muito até passar mal, dormir, assistir um filme, surpriender com coisas banais que poucos fazem...
O melhor de tudo isso é ver os dias passar, as pessoas passar, mas o desejo persistir... Epa! alguma coisa tá acontecendo... Meu Deus estaria eu apaixonado? Que coisa maravilhosa, como um sentimento pode me deixar tão confuso, tão feliz, tão triste, tão, tão... não sei como eu estou... confuso!
Será que sou correspondido? Será que imaginam o quanto eu quero, o quanto eu amo, o quanto eu espero, o quanto... Ah, cansei, me sinto sem forças, me sinto dormente, me sinto.... confuso novamente!
Já sei, vou procurar um analista, senão resolver procurarei um padre, um pastor, uma benzedeira, um pai de santo, um guru... Não vou procurar mais nada, só consegui mais confusão... Quem sou eu, que nem sei mais? Quero ter novamente minha paz, essa paz que você tirou, esse vazio que você deixou, essa marca que ficou... E mais uma lágrima que cai, tudo novamente... Essa vida não para nunca, isso é um ciclo vicioso, agora que eu pensei que tudo ia caminhar, voltei a estaca zero! Nossa! será que aquela pessoa lá atrás pensa em mim? Ainda sou importante? Especial? Tenho valor inestimável como um dia ouvi? Ai meu pai, tudo novamente não... O que seria isso, já sei vou dormir. É falta de descanso.
Demorei para pegar no sono, lembro que sonhei com um senhor que me dizia coisas sobre viver, entre muitas outras coisas, perguntei sobre os sentimentos, como é que funcionam conosco e apenas ouvi:


É o acaso meu filho, é o acaso.... Mas eu disse, isso eu me questiono, o que seria esse acaso, e o senhor apenas disse: É você agindo mesmo sem saber, forçado pelas consequências dos seus atos.

Um comentário:

Steven Hans Fenólio disse...

relexivo o texto, um pouco confuso eu diria .. algumas ideias meio que misturadas .. mas com uma lógica bacana!
" ..consequencia de seus atos"