quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Castelo de Areia

Decidi construir um castelo de areia, comecei o árduo trabalho e gastei alguns anos nessa construção... Enfim, teria meu castelo a beira mar,eis a construção de um grande sonho...
Eu me atentei aos pequenos detalhes que se possa imaginar, pensei em tudo para não deixar nada a desejar, vi isso como uma missão, como minha paz para os dias que viriam;
Algum tempo depois, eis que um forte vendaval chegou, surgiu na minha vida e rapidamente reduziu meu castelo a antiga condição, ao nada. Que tragédia, que cena mais triste, que decepção e eu sem nada conseguir fazer...
Pensei na hora do desespero em reconstruí-lo como das outras vezes, mas decidi que ele nunca mais seria o mesmo, pois não encontraria nele a mesma emoção, magia, empolgação, o mesmo afeto, carinho, paixão, amor...
Foram os dias mais tristes da minha vida, chorei um bocado, andei cabisbaixo, queria que fosse o fim, nunca mais me vi realizar outro sonho, um outro castelo...
Dias depois, andando pela praia senti o vento acariciar minha face,senti também os minúsculos grãos de areia tocar minha pele, consegui sentir as mesmas emoções de quando estava construindo meu castelo...Concluí que o mesmo vento que por diversas vezes desmanchou meu sonho, foi quem espalhou por toda extensão da praia, todo caminho, minha experiência, possibilitando assim, que por onde eu andar e quem sabe decidir fazer um novo castelo eu possa encontrar em cada grão um pouco de TUDO que depositei na minha primeira experiência, fazendo de todos os outros a continuação e aperfeiçoamento de um trabalho que nunca cessa, de uma constante evolução, de um constante aprimoramento.
Aproveite a força do vento, pois ele nada mais faz do que limpar o que pode ser melhor em nossa vida!

2 comentários:

Steven Hans Fenólio disse...

Todos nós contruimos castelos de areia .. uns grandes ou pequenos .. que com o tempo, senão o vento, desmarcha-se simplismente.
=D

=*

Steven Hans Fenólio disse...

Formamos castelos diariamente, uns grandes outros pequenos que com o tempo, senão o ventp, desfazem-se por si mesmos, simplismente assim. Vale considerar tudo como esperiencia renovadora. Evolutiva.